Operação na Amazônia aplica R$ 175 mi em multas; associação contesta eficácia

Poder 360, 19/06/2020 23h34

  Imprimir
 
 (Foto: Reprodução) Ampliar imagem:  (Foto: Reprodução)
Foto: Reprodução

A Operação Verde Brasil 2 completou 1 mês em 11 de junho e, de acordo com o Ministério da Defesa, aplicou até o momento 934 multas que totalizam R$ 175,3 milhões. Fez 116 prisões em flagrante. Para associações de ambientalistas, no entanto, a ação dos militares não é suficiente para frear a tendência de aumento no desmatamento.

O receio é que, com a chegada da temporada das queimadas, em setembro, a catástrofe ocorrida em 2019 se repita em tons ainda mais dramáticos por causa do covid-19.

Um estudo desenvolvido por pesquisadores do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) mostra que a pandemia combinada com os incêndios na floresta deve sobrecarregar as unidades de saúde de Estados da Amazônia. Haverá aumento dos casos de pessoas com insuficiência respiratórias.

Uma das dificuldades é a própria disposição dos comandantes militares. O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, é contrário a GLOs na Amazônia. O argumento, que expressa reservadamente, é que as Forças Armadas não estão preparadas para a missão, que, em última hipótese, deixa expostos os militares.

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, tem uma posição diferente. Ele e Azevedo chegaram ao topo da carreira de general e foram para a reserva. Mourão é responsável desde março pelo Conselho da Amazônia. Tem grande interesse em que as operações contra o desmatamento tenham resultado significativo.

Arbitrar sobre essa situação é algo que caberia ao presidente Jair Bolsonaro. Ele foi informado sobre as divergências em relação ao tema. Mas demonstrou pouco interesse. Nega a legitimidade das críticas ao aumento do desmatamento, repetindo a interlocutores que os europeus não têm que se meter nesse assunto.

 

     

   © Copyright 2009 | 2020    Política de privacidade     Fale conosco  |   Anuncie conosco  |