Famílias ribeirinhas correm risco de ficarem isoladas com aumento do nível do rio Madeira - NoticiaDaki - Informação de qualidade |

Famílias ribeirinhas correm risco de ficarem isoladas com aumento do nível do rio Madeira

G1 - RO, 06/01/2019 11h24

  Imprimir
 
 (Foto: G1 - RO) Ampliar imagem:  (Foto: G1 - RO)
Foto: G1 - RO

Cerca de 50 famílias ribeirinhas do Baixo Madeira correm o risco de ficarem isoladas após alagamento da estrada que dá acesso às comunidades de Pau D’arco e Bom Jardim. Para deixarem o local, moradores estão dependendo de transporte fluvial, assim como para escoarem suas produções e pegarem água potável.

Severino Nobre, presidente da Associação de Moradores e Produtores Rurais de Mutuns e Baixo Madeira, explica que com o aumento do nível do rio nessa época do ano muitas famílias da região enfrentam dificuldades para manter suas atividades e modo de vida.

“As famílias estão com dificuldades de escoar suas produções. As pessoas tambêm estão sem água para beber. A ponte todo ano é tomada por água. Isolados, os moradores pegam transporte fluvial até Cujubim (outra margem) e de lá vão até a cidade. São pessoas idosas que nasceram e cresceram aqui”, explica Severino.

Devido ao aumento no nível do rio Madeira, característico nessa época do ano, a Defesa Civil, vem aumentando os trabalhos de mapeamento e acompanhamento das famílias cadastradas. A tarefa é prestar apoio técnico às comunidades que podem ser atingidas caso o nível do rio continue a subir.

“Nesse período em que o rio Madeira ultrapassa os 14 metros, muitas comunidades são atingidas e acabam ilhadas. Por isso, elas serão inclusas no plano de contingenciamento do município”, afirma o diretor da Defesa Civil, Marcelo Santos.

O diretor lembra que ainda é cedo para um prognóstico que aponte uma cheia semelhante a ocorrida em 2014. No entanto, mesmo passados quase cinco anos da cheia histórica, moradores que viram de perto os estragos causados pela água, agora temem qualquer aumento significativo do Madeira.

É o caso de Cesária Oliveira que tem na parede de sua casa as marcas do nível da cheia de 2014. A apreensão da agricultora aumentou quando ela viu o rio chegar no quintal de casa. Dona Cesária foi informada pela Defesa Civil na manhã deste sábado (5) que a cota de alerta, que é de 14 metros, pode chegar mais cedo esse ano.

“Quando os meus meninos pegam a voadeira para irem à escola nessa época é muito dificultoso. A água para beber tem que ser pega em Cujubim (que fica na outra margem do rio)”, lamenta a agricultora.

Morando em áreas rurais, a Defesa Civil encontrou como alternativa a instalação de barracas contendo apoio logístico, como cestas básicas e água mineral, durante o período de vulnerabilidade de cheia.

Ao longo da estrada já é possível ver as duas pontes improvisadas com risco de ficarem submersas. É possível ver, ainda, várias barracas da Defesa Civil, algumas delas montadas desde 2014.

 

     

   © Copyright 2009 | 2019    Política de privacidade     Fale conosco  |   Anuncie conosco  |