Ministério define que dose reduzida da vacina contra aftosa será usada só em 2019 - NoticiaDaki - Informação de qualidade |
Ministério define que dose reduzida da vacina contra aftosa será usada só em 2019 - NoticiaDaki - Informação de qualidade |

Ministério define que dose reduzida da vacina contra aftosa será usada só em 2019

Assessoria, 05/02/2018 11h25

  Imprimir
 
 (Foto: Assessoria) Ampliar imagem:  (Foto: Assessoria)
Foto: Assessoria

Diferente do informado anteriormente, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) definiu que a vacina contra a febre aftosa de 2 ml começará a ser aplicada em maio de 2019. A primeira data informada pelo ministério era o segundo semestre deste ano.

De acordo com Mapa, todo o calendário de vacinação deste ano segue sem mudanças, em maio e em novembro, com a vacina de 5 ml. A forma de aplicação do produto, no entanto, deverá ser preferencialmente subcutânea (abaixo do couro do animal) e não intramuscular, já a partir da primeira fase de vacinação em maio próximo, para maior eficiência do produto e para evitar perdas no abate.

Rondônia deve ser um dos primeiros estados a retirar a vacinação. A retirada completa da vacinação deverá acontecer em 2021, conforme prevê o Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA).

Integrantes da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) e da iniciativa privada avançaram nos entendimentos sobre mudanças na vacina. Segundo o secretário de Defesa Agropecuária, Luis Rangel, é preciso cautela, medidas técnicas e estudos científicos, pois o Brasil está em fase final de erradicação da aftosa e de reconhecimento de país livre da doença com vacinação, status que deverá ser obtido internacionalmente, no próximo mês de maio, junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). “A ambição do Mapa é ousada e faremos tudo para atingir os objetivos, apesar do tamanho do território brasileiro e do grande número de animais”, afirmou o secretário.

O diretor de Departamento de Saúde Animal (DSA), Guilherme Marques, disse que o setor produtivo mostra maturidade e a convicção de que tudo deverá ser feito dentro de critérios técnicos. “Não se trata apenas de redução de uma dose da vacina, pois implica em mudança do processo de produção, exigindo, além dos testes laboratoriais, testes de eficácia no campo”, explica.

Marques informou que existe o pleito do setor privado de que animais com mais de 30 meses não sejam vacinados, o que depende de decisões técnicas e científicas. “O setor deve apresentar seus argumentos para a mudança”. E explicou que o pleito pode ser incluído ainda neste ano na revisão da Instrução Normativa 44, que fixa normas do programa da febre aftosa, para viabilizar mudança na vacina e para que estados revisem suas legislações.
 

 

     

   © Copyright 2009 | 2018    Política de privacidade     Fale conosco  |   Anuncie conosco  |