Ação para prender Eike e mais 8 apura ocultação de US$ 100 milhões no exterior - NoticiaDaki - Informação de qualidade |

Ação para prender Eike e mais 8 apura ocultação de US$ 100 milhões no exterior

G1, 26/01/2017 09h55

  Imprimir
 
 (Foto: G1 Nacional) Ampliar imagem:  (Foto: G1 Nacional)
Foto: G1 Nacional

A Operação Eficiência, deflagrada nesta quinta-feira (26), investiga crimes de lavagem de dinheiro, que consistem na ocultação no exterior de aproximadamente US$ 100 milhões (cerca de R$ 340 milhões). O montante, segundo denúncia do Ministério Público Federal (MPF), é fruto de propinas obtidas por um esquema fraudulento comandado pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral.

O MPF informou que, com o auxílio de colaboradores, já conseguiu repatriar cerca de R$ 270 milhões, que estão à disposição da Justiça Federal em conta aberta na Caixa Econômica Federal. A Força-Tarefa da Lava Jato agora solicita cooperação internacional para o bloqueio e repatriação dos valores ainda ocultos em outros países.

A ação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal (MPF), com apoio da Receita Federal, cumpre nove mandados de prisão preventiva, quatro de condução coercitiva e 22 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro. Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Brêtas, da 7ª Vara Federal Criminal. Cerca de 80 agentes participam da ação.

Entre os alvos dos mandados está Eike Batista, que não foi encontrado em casa. Segundo o advogado que diz representar o empresário, ele está viajando. Informações obtidas pela TV Globo indicam que o empresário está fora do país e é considerado foragido.

Outro alvo é Flávio Godinho, braço-direito de Eike no grupo EBX e atualmente vice-presidente do clube de futebol Flamengo. Ele foi o único localizado e preso na manhã desta quinta-feira pela Polícia Federal. Godinho é acusado de ser um dos operadores do esquema, através da ocultação e lavagem de dinheiro das propinas que eram recolhidas das empreiteiras que faziam obras públicas no Rio de Janeiro.

De acordo com o MPF, Eike e Godinho teriam pago propina de US$ 16,5 milhões ao ex-governador Sérgio Cabral usando a conta Golden Rock no TAG Bank, no Panamá. Segundo o MPF, o valor foi solicitado por Cabral ao empresário em 2010.
Além da lavagem de dinheiro, também são investigados os crimes de corrupção ativa e corrupção passiva, além de organização criminosa.

A Eficiência é desdobramento da Operação Calicute, deflagrada no fim de 2016, que teve entre os presos o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, e a mulher dele, Adriana Ancelmo.

Cabral, que está preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, também teve mandado de prisão preventiva expedido na Operação Eficiência – foi a terceira ordem de prisão contra o ex-governador.

Segundo os procuradores, a remessa de valores de Cabral para o exterior foi contínua entre 2002 e 2007, quando ele acumulou US$ 6 milhões. Durante a gestão como governador, entre 2007 e 2014, ele acumulou mais US$ 100 milhões em propinas, distribuídas em diversas contas em paraísos fiscais no exterior, afirmam os procuradores.

Eike, Godinho e Cabral também são suspeitos de terem cometido atos de obstrução da investigação. Ainda de acordo com o MPF, durante busca e apreensão em endereço vinculado a Eike em 2015, foram apreendidos extratos que comprovavam a transferência dos valores ilícitos da conta Golden Rock para a empresa Arcádia.

Além de Cabral, outros dois dos nove envolvidos no esquema que tiveram prisão decretada pela Justiça nesta fase da operação á estão na cadeia: Wilson Carlos e Carlos Miranda, também detidos em Bangu.

A PF ainda tenta cumprir também outros seis mandados de prisão – incluindo Eike – e quatro de condução coercitiva, contra Maurício de Oliveira Cabral Santos, irmão mais novo do ex-governador, Suzana Neves Cabral, ex-mulher de Sérgio Cabral, Luiz Arthur Andrade Correia e Eduardo Plass. Eles seriam beneficiários do esquema de corrupção.

Maurício Cabral foi sócio na LRG Consultoria e Participações, de Carlos Miranda, um dos operadores do esquema de corrupção.

A PF cumpre mandados de busca e apreensão em cerca 40 endereços. São as casas dos presos e das pessoas que estão indo prestar depoimentos e de empresas investigadas nesse inquérito.

As empresas são:
- Hoya Corretora de Valores e Câmbio Ltda
- Canhoeta Negócios Corporativos
- Seven Lab Informática Ltda
- Boa da Noite Informática
- SCA Eventos e Consultoria Ltda
- Apoio Consultoria e Planejamento Ltda
- Havana Administradora e Corretora de Seguros Ltda.
- Unirio Assessoria Administração e Corretora de Seguros Ltda
- Corcovado Comunicação Ltda
- Américas Copacabana Hotel Ltda
- Carolina Massiere Confecções e Assessórios de Moda Ltda
- Estalo Comunicação
- JPMC Academia de Ginástica Ltda
- MCS Comunicação Integradas S/C Ltda
- Araras Empreendimentos Consultoria e Serviços Ltda
- Minas Gerais Projetos e Empreendimentos Ltda

 

     

   © Copyright 2009 | 2017    Política de privacidade     Fale conosco  |   Anuncie conosco  |