Monte Negro: Funcionários são expulsos e casas são queimadas em fazenda - NoticiaDaki - Informação de qualidade |

Monte Negro: Funcionários são expulsos e casas são queimadas em fazenda

Monte Negro: Funcionários são expulsos e casas são queimadas em fazenda

G1-RO, 12/11/2013 07h40

  Imprimir
 
15 homens, encapuzados e armados, invadiram a propriedade e atearam fogo nas residências (Foto: Reprodução) Ampliar imagem: 15 homens, encapuzados e armados, invadiram a propriedade e atearam fogo nas residências (Foto: Reprodução)
15 homens, encapuzados e armados, invadiram a propriedade e atearam fogo nas residências - Foto: Reprodução

No sábado (9), quatro casas foram incendiadas na fazenda Padre Cícero, localizada na Linha C-35, zona rural de Monte Negro (RO), de acordo com a Polícia Militar (PM). As vítimas disseram a PM, que cerca de 15 homens, encapuzados e armados, invadiram a propriedade e atearam fogo nas residências, com todos os objetos.  A fazenda foi invadida no início de outubro por um grupo de pessoas, porém, após o crime, o acampamento foi abandonado. A Polícia Civil investiga o caso.

Conforme relatado a PM, no momento da ação, mulheres e crianças estavam nas casas, enquanto os homens trabalhavam no pasto. Sob ameaça, o grupo foi obrigado a deitar no chão, enquanto os criminosos incendiaram as residências.

o chegar ao local, além das casas queimadas, os policiais constataram marcas de tiros em paredes, e escutaram estampidos de fogos de artifícios, avisando da presença militar. O grupo de militares foi até a fundiária da fazenda onde há um mês um grupo de 20 pessoas invadiu e construiu barracos, porém, o acampamento estava vazio.

A PM acredita que o grupo pertença a Liga dos Camponeses Pobres (LCP), mas os invasores disseram não ter ligação com nenhum movimento. Conforme o comandante do 7º Batalhão da Policia Militar, Ênedy de Araújo, o proprietário da fazenda acionou a Justiça e teve o pedido de reintegração de posse deferido. Com isso, há duas semanas, foi realizado o estudo de situação do local, para dar cumprimento à ordem judicial.

“Acreditávamos que a reintegração de posse aconteceria ainda este mês. Porém, o grupo abandou o acampamento após o crime. Por isso, e com base nos relatos das vítimas, acreditamos que estejam envolvidos na ação criminosa. Atualmente a PM realiza patrulhamento efetivo no local, sem previsão de suspensão”, explica o comandante.

Conforme a assessoria do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra),  um levantamento da situação da fazenda Padre Cícero está sendo realizado, e uma reunião com autoridades militares e agrárias foi marcada para acontecer na próxima quarta-feira (13), na sede do órgão. Na reunião, entre outros assuntos, será tratada a situação das invasões de terras na região.


Fazenda Miranda

No dia 24 de outubro a Fazenda Miranda, localizada na zona rural de Alto Paraíso (RO) foi invadida por cerca de 50 pessoas. Conforme a PM, os invasores estavam armados e expulsaram o proprietário e funcionários da propriedade, obrigando-os a levar a mudança.
No dia 29 de outubro a PM prendeu 14 homens que ocupavam a sede da fazenda, e apreendeu uma espingarda, além de munições e motocicletas. Os homens foram indiciados por formação de quadrilha. No dia 1º de novembro a sede da fazenda, curral e madeiras serradas foram queimados por um grupo de pessoas armadas, conforme a PM.

Fazenda Formosa

A Fazenda Formosa, localizada na zona rural de Alto Paraíso (RO), foi invadida em maio deste ano, por cerca de 100 famílias. O proprietário acionou a Justiça e teve o pedido de reintegração deferido. Em julho, um oficial de justiça, acompanhado por policiais militares e civis, foi à propriedade para cumprir a liminar, porém, após horas de negociações, os invasores se negaram a sair da fazenda e pediram prazo até a reunião com o ouvidor agrário nacional José da Silva Filho.

Na reunião, a reintegração de posse foi adiada, mas um pedido feito por representantes dos Ministérios Públicos Estadual e Federal foi analisado e deferido pela Justiça, suspendendo a liminar de reintegração. Depois disso, o processo foi enviado à Justiça federal e o Incra aguarda a decisão. Enquanto isso, as famílias continuam no local.

 

     

   © Copyright 2009 | 2017    Política de privacidade     Fale conosco  |   Anuncie conosco  |